Fevereiro, mês dos AFETOS

AFETOS

A Organização Mundial de Saúde entende que a saúde não é apenas um bem-estar físico, mas também um bem-estar mental e social. As relações sociais satisfatórias contribuem para a saúde física e mental! Os Afetos assumem a sua devida importância no concelho de Cascais que, em 2017, aderiu ao Movimento “Cidade dos Afetos”. A prática deste movimento consolida valores como a criatividade e a inovação, a tolerância e a participação da comunidade.

A Cidade dos Afetos é um movimento mobilizador de toda a comunidade para o desenvolvimento de atividades que apliquem a componente afetiva, de modo a promover o bem-estar e os estilos de vida saudáveis, essenciais à felicidade de todos.
Este movimento foi criado em 2014, tendo como fundadores os coordenadores das Unidades de Saúde Pública Arnaldo Sampaio e Zé Povinho e os presidentes das Câmaras Municipais do Barreiro e das Caldas da Rainha.

Cascais, Cidade dos Afetos

Saiba mais…

“É importante reconhecer que estes são tempos difíceis e que é normal experienciar sentimentos de tristeza, ansiedade, preocupação, medo e incerteza, quer face ao problema de saúde pública em si, quer face ao distanciamento social a que a pandemia dos remeteu.
Felizmente, tendo em conta a importância dos afetos e o seu contributo para o bem-estar psicológico, há formas de gerir e encurtar a distância, mantendo relações e interações sociais felizes e saudáveis, enquanto simultaneamente se tenta impedir a propagação da doença.

Incentivar a partilha de sentimento

É importante reconhecer a normalidade da presença de determinados sentimentos e emoções. Sentimentos como medo, ansiedade e incerteza estão entre as reações mais normais e saudáveis face a uma crise como a que vivemos, já que, como seres humanos, estamos biologicamente preparados para responder desta forma às ameaças.
A partilha e normalização destes sentimentos pode e deve ser feita em família ou entre amigos.

Prestar atenção às necessidade dos outros

Face às abruptas mudanças de rotina e face às enormes dificuldades que o COVID-19 trouxe, algumas pessoas podem estar a viver maiores dificuldades.
Manifestar afeto e carinho por aqueles de quem gostamos passa também por estar atento às suas necessidades. É importante antecipar essas necessidades, ser generoso, ser empático, ter iniciativa e não esperar que sejam as outras pessoas a pedir ajuda.

Equilibrar o contacto social com uma atitude responsável de distanciamento

Mesmo em tempos normais, todas as pessoas precisam viver um equilíbrio entre vida social e tempo a sós. Neste período, em que o distanciamento social continua a ser recomendado, esta situação não muda. É importante que existam momentos a sós, na mesma medida em que as atividades que envolvam família e/ou amigos são fundamentais.
Os momentos de interação social criam oportunidades únicas de crescimento e aprendizagem e transmitem a segurança emocional necessária para atravessar este momento difícil.
É importante que, em conjunto, famílias e grupos de amigos, definam as regras de uma convivência segura e saudável.

Não limitar as interações sociais ao contexto doméstico

Distanciamento social não é sinónimo de autoisolamento. É importante manter interações sociais e manifestar afetos por família, amigos, colegas de trabalho, ainda que, por vezes, essa interação não seja presencial.
Felizmente, temos à disposição várias formas de comunicar que não colocam em risco a saúde de ninguém, pelo que importa recorrer a essas ferramentas.”

Fonte: vida ativa

Dias Comemorativos:

  • 06 de Fevereiro – Dia Internacional da Tolerância Zero à Mutilação Genital Feminina
  • 11 de Fevereiro – Dia Mundial do Doente;
  • 12 de Fevereiro – Dia Internacional de Oração pelo Autismo e Síndrome de Asperger
  • 14 de Fevereiro – Dia de S. Valentim (Dia dos Afetos) e Dia Nacional do Doente Coronário
  • 15 de Fevereiro – Dia Internacional da Criança com Cancro
  • 18 de Fevereiro – Dia Internacional da Sindrome de Asperger
  • 20 de Fevereiro – Dia Mundial da Justiça Social
  • 22 de Fevereiro – Dia do Pensamento;